18.4.12

limites

Quando o percurso, o projeto ou as relações me agradam muito, vou sempre até o limite. Mas, quando vejo que o limite se aproxima e terei mesmo que ultrapassá-lo, eu o desloco — com amor e alegria, com razão e gostosura — um pouco mais pra frente. E assim por diante.

5 comentários:

Bandys disse...

Essa é a diferença de quem sabe viver.
Hoje acordei, pensando em voce, com saudade.
O blog ficou show, sempre soube onde me aquecer, rss. Mais ainda ne??
Bom dia, beijos, flores de gostosuras.

PAPO ZEN disse...

Oi, Edson! Adorei o seu blog! Muito inspirador! Já fiz as correções na postagem do meu blog "Papo Zen". Obrigada por me alertar! Realmente, precisamos pesquisar bem antes de divulgar qualquer informação que encontramos na internet!
Um abraço,
Carla

Edson Marques disse...

Bandys!
Quanto tempo!

Viver é uma delícia...

Agradeço pelos beijos, e pelas flores de gostosuras!

Irei lá te ver, depois.
Flores...

Edson Marques disse...

Carla, do Papo Zen,

http://amigaszen.blogspot.com.br/

Obrigado pela correta citação de autoria e pelo destaque dado ao livro Mude. Esse tipo de atitude também é inspirador.

Flores...

VIDA E LIBERDADE disse...

Vir aqui é sentir o aroma das flores ,ao vivo e a cores....
É aquecer o coração mesmo... como Banbdys disse....
É buscar lenitivo, para se continuar vivendo e sonhando!!!
E você é responsável, por essas gostosuras ...poeta!

beijos e carinhos!

Lisa