10.4.12

inexclusividade

A exclusividade não é natural. Não é inerente ao ser humano, não vem gravada no DNA. Se alguém diz que me ama, mas quer me controlar — em verdade não ama. Melhor comprar um bichinho de pelúcia, para dizer que é seu. Claro que se alguém tiver encanto que me pareça suficiente, eu lhe ficarei eternamente aos seus pés. Eternamente, ou pelo menos enquanto durar o fascínio. Portanto, se saio às vezes para alguns voos livres em vez de ficar no ninho, é sinal que esses voos me são mais engraçados, mais bonitos, mais necessários, ou mais interessantes do que a simples permanência no ninho. Então, como pode alguém culpar-me por ter asas? Desde quando é proibido gostar de voos livres?

Um comentário:

VIDA E LIBERDADE disse...

Somente ficamos fora do ninho, quando já não o sentimos macio,aconchegante, ou mesmo...delicioso...
quando se permanece muito tempo em algum lugar, o tempo se torna longo, cansativo....e massante...e é claro, queremos voar, encontrar novos horizontes, procurar o novo, porque o novo entusiasma, nos deixa alegres, animados... enfim... as asas foram feitas para voar e a vida para ser vivida...é fato!

bom dia... Sol!!!

Lisa