27.1.12

essa vida e esses amores

Assim como Henry Miller, detesto relações ordinárias. O que é comum tem um poder impressionante de jamais me impressionar. Eu preciso é de êxtase. E de mulheres Anaïs. Mulheres que amem como Anaïs Nin. Que vibrem como Anaïs Nin. Porque, se eu não viver esta vida que eu vivo — nem amar esses amores que eu amo — sobre o que então escreveria?

Nenhum comentário: