25.1.12

abandonar tudo

Paul Valéry abandonou a poesia por vinte anos e passou para a matemática. Pitágoras abandonou a Grécia, e depois de trinta anos viajando voltou como sacerdote egípcio. Rimbaud largou tudo — e foi ser comerciante de armas na África. Jesus Cristo largou tudo pra subir à Montanha e fazer um Sermão. Henry Miller, idem, saiu do emprego tedioso e foi para a Europa, onde viveu e escreveu romances. Até mesmo aquele teu grande amor já mudou de vida...

E você — quando é que vai
abandonar tudo pra fazer o quê ?


"Abandonar tudo" é, para mim, o mesmo que "saltar profundo". É por isso que eu digo que tem gente que só consegue abandonar tudo quando morre. Como se a morte fosse o único motivo especial que merecesse esse salto profundo. Como se não houvesse mais nada na vida que fosse tão importante, ao ponto de abandonarmos tudo por isso. Como se só a morte merecesse tal glória.

Estou gostando dessa linha que adotei agora para tratar do tema salto profundo. Volto depois. Talvez.

Nenhum comentário: