14.12.11

desejos improtegidos

Meus desejos não precisam jamais de proteção: eu me equilibro nesse ofício tão gostoso de ser louco, de andar numa corda, saltar numa linha — e correr pelos versos de mim.
Na bordinha do Grande Abismo.

Nenhum comentário: