2.8.11

confesso que vivo

Confesso que vivo

Inspirado em Neruda, e à beira do abismo, confesso que vivo. Porque dentro da noite há um poço fundo onde a luz se esconde. Dentro da noite existe um hoje, agora mesmo, ensolarado. Mais vinte poemas de amor e uma canção desesperada.

Nenhum comentário: