25.7.11

baudelaire

"E se algumas vezes, nos degraus de um palácio, na relva verde de um campo florido ou na doce solidão do teu quarto, a embriaguez diminuir ou desaparecer quando você acordar, pergunte ao vento, às ondas, à estrela, aos pássaros, ao relógio, pergunte a tudo que flui, a tudo que geme, a tudo que gira e rola, a tudo que canta, a tudo que fala, pergunte-lhes que horas são. E o vento, as ondas, a estrela, os pássaros, o relógio, hão de responder: é hora de embriagar-se! Então, para não seres só mais um escravo martirizado do Tempo, embriaga-te; embriaga-te sem tréguas. Com vinho, poesia, virtude, ou mulher — tanto faz!"
Charles Baudelaire
Transcriação minha. Veja o original nos comentários.

Nenhum comentário: