17.12.07

loucura

MEU CONCEITO DE LOUCURA

Embora seja insuportável para quem já perdeu a lucidez, a Loucura é a única salvação. Por isso recomendo aos "normais ainda saudáveis" que procurem o caminho poético da Loucura. Claro que não me refiro à loucura inconsciente, transtorno bipolar, psicose, depressão, esquizofrenia, nem algo semelhante. Eu me refiro à loucura criativa de Osho, de Dali, de Paritosh. Eu me refiro à loucura brilhante de Nietzsche, de Jesus e de Artaud; à loucura sagrada de Van Gogh, Henry Miller e Picasso. Eu me refiro à loucura que está ali — aqui — a quase 360 graus da sanidade. Eu me refiro à fuga da escuridão chamada Norma. À quebra radical das as correntes opressoras. Ao abandono puro e simples do rebanho.

Eu me refiro à loucura luminosa dos criadores de mundos.

À loucura dos amantes da liberdade absoluta.


Esta, a loucura que (me) (te) (nos) encanta...

Um comentário:

Carlos Almo disse...

As pessoas teme ,m esta loucura, pois vivem envoltas em paradigmas, e se amedrontam em quebrá-los!
Na vida devemos ser ousados sempre, e como o ser sem quebrar paradigmas? Uma situação paradoxal que consome os homens, e isso na era da informação! Não consigo entender. Abraços meus.